Ninguém precisa passar a vida toda pagando o mesmo imóvel. Quando digo isso também não me refiro a pagar um imóvel à vista, pois a realidade da grande maioria das pessoas não permite a aquisição de forma imediata. Portanto, a alternativa mais viável para conquistar o sonho da casa própria é financiar.

Segundo dados da ABECIP (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), somente em 2019 o Financiamento Imobiliário teve crescimento total de 15%. O aumento foi ainda mais expressivo em financiamentos com recursos da poupança, chegando a 37%. E não para por aí! Apesar da crise provocada pelo Coronavírus, a oferta de crédito continua alta e as taxas de juros continuam muito baixas, favorecendo um cenário que promete ser muito positivo para este ano.

Para reduzir o prazo

Mas não é porque o prazo de pagamento de um financiamento pode chegar a 35 anos que você precisa passar tanto tempo pagando um mesmo imóvel. Afinal, quanto mais tempo levar para quitar a dívida, maior também será a incidência de juros. Por isso vale muito a pena reduzir o valor total da sua dívida por meio da amortização.

Todo mês você já faz isso. Porém, o valor da parcela não corresponde somente ao valor amortizado. Isso porque além da amortização, a parcela do seu financiamento também é composta por taxas e juros cobrados sobre o valor do saldo devedor.

Amortizar para reduzir o número de parcelas a longo prazo é, portanto, uma alternativa válida para todos, mas que beneficia principalmente os financiamentos corrigidos pela inflação (IPCA). Como esse índice oscila muito com o passar dos meses, o ideal nesta modalidade é quitar o financiamento em menor tempo possível justamente para não correr o risco de ver seu custo final aumentando drasticamente.

Para reduzir o valor da parcela

Mas além da possibilidade de diminuir o tempo de pagamento do financiamento imobiliário, você também pode utilizar a amortização para reduzir os custos das parcelas, caso estejam pesando no orçamento familiar. Essa é uma boa alternativa para quem optou por uma modalidade de correção mais estável, como é o caso da TR, e não precisa se preocupar tanto a longo prazo. Ao amortizar você pode reduzir ou até mesmo adiar a cobrança de algumas parcelas por determinado período, mantendo o prazo do financiamento, mas, em contrapartida, desafogando as contas do mês.

Então se você não está acostumado a se planejar financeiramente, a amortização pode ser um bom motivo para começar hoje mesmo. Não se preocupe em poupar grandes quantias de uma só vez. Comece com metas menores, reservando um pouco todos os meses, quem sabe aproveitando seu 13º salário e programando ao menos uma amortização no ano. Além disso, também é possível amortizar anualmente utilizando o seu saldo do FGTS. Para isso, você só vai precisar aguardar dois anos caso tenha aproveitado o fundo de garantia na compra do imóvel.

Agora, se você já possui algum tipo de investimento e está pensando em destinar parte dele para amortizar o seu financiamento, fique atento às taxas de juros. Neste caso, será uma ótima opção se os juros contratados no financiamento forem maiores que o rendimento do dinheiro aplicado. Se não, você pode continuar investindo o seu dinheiro até que possua o montante necessário para quitar todo o financiamento.